Concentração: a difícil e tão necessária tarefa

Na contramão do mundo conectado com excesso de informação, a concentração torna-se um difícil exercício. Todas as empresas querem profissionais multitarefas e esses se esforçam em busca de abraçar todas as atividades delegadas.

É muito importante distinguir entre possuirmos muitas habilidades e fazermos várias atividades simultaneamente. Parece a mesma coisa, mas não é. Ter a habilidade não significa que precisa resolver e usar todas ao mesmo tempo. Já vimos no texto passado que dividir-se em muitas tarefas de uma vez faz cair a qualidade.

O profissional generalista com especialidades é realmente mais valorizado hoje no mercado de trabalho. Explicando melhor: esse profissional é aquele que conhece muito de um assunto, mas também pode participar dos conteúdos afins com propriedade. Um bom exemplo disso é um psicólogo que trabalha em Recursos Humanos. Ele é especialista em recrutamento e seleção, mas também conhece de desenvolvimento, folha de pagamento, benefícios… e, claro, consegue conectar tudo isso ao negócio da empresa.

No entanto, isso não significa que fará tudo ao mesmo tempo. Para que cada atividade possa ser realizada, é necessário uma boa concentração e dedicação exclusiva. A única garantia de qualidade e produtividade da entrega é a real e integral priorização de sua atenção na execução.

O cérebro, segundo pesquisas, gasta de 11 a 72 minutos para se concentrar em uma tarefa e realizá-la com boa qualidade.

Desta forma, quando você receber mais tarefas do que consegue realizar, siga a dica:

  • Verifique se está organizado;
  • Separe o que é urgente do importante;
  • Defina as prioridades;
  • Compartilhe com seu superior para ter certeza da sua prioridade;
  • Retire o que te distrai (ex: redes socais);
  • Siga em frente usando suas melhores habilidades.

Concentração e prioridade serão, segundo a neurociência, a única forma de aumentar sua capacidade de entrega, ampliando seus resultados efetivos em qualidade e quantidade. Siga em frente!