Crenças e Escolhas

O tema deste texto não tem qualquer pretensão de ser inédito, pois se fala que religião, política e futebol não se discute, apenas se respeita. Cada um de nós tem uma crença ou doutrina, uma história que explica as razões de nossas escolhas.

Para falar sobre a correlação sugerida no título do texto, quero chamar a sua atenção para duas questões: A primeira refere-se ao seu conjunto de crenças. Antes de assumir como imutáveis, experimente outras possibilidades, verifique o que implica em perda ou ganho. Acreditando nela, o que mudou na sua vida? Certifique-se que essa crença é realmente necessária para você. O mais importante é saber que é possível mudar uma crença a qualquer momento. Hoje, ela pode ter relevância, mas amanhã não fazer o menor sentido em sua vida.

O segundo ponto e não menos importante é a divulgação das suas crenças. Como você faz? Para quem as divulga? Somente para as pessoas da sua família? Ou em todos os ambientes que frequenta? Aprender a separar o espaço e a forma de divulgação das suas crenças facilita muito a sua interação com as pessoas. Você não precisa convencer a todos a possuir as mesmas crenças que você.

Apesar de todas as formas de discriminação serem proibidas e também pouco saudáveis, do ponto de vista da coexistência da pluralidade de crenças, a diversidade existe e precisa ser discutida. Pode parecer mais fácil você escolher trabalhar em locais onde suas crenças são aceitas, assim você ficará mais confortável. No entanto, você também pode não evoluir muito como pessoa.

Aprender a conviver com a diversidade permite um processo profundo de evolução e ajusta os canais internos, possibilitando o crescimento e o desenvolvimento da Inteligência Emocional.