Mulher x Homem: Diferenças no Mercado de Trabalho

Em pleno Século XXI ainda temos que lidar com uma sociedade que diferencia homens de mulheres no mercado de trabalho, tanto em tratamento, quanto em oportunidades e salários.

Há algumas semanas falamos sobre assédio moral. Foram tantos comentários e participações que resolvi aprofundar o tema, agora focando em assédio sexual, que também é moral, mas com implicações diferentes, começando pela lei: “O assédio sexual passa a ser previsto no artigo 216 A do Código Penal, que estabelece: ‘Constranger alguém com intuito de levar vantagem ou favorecimento sexual,prevalecendo-se o agente de sua forma de superior hierárquico,ou ascendência inerentes a exercício de emprego,cargo ou função.(…)’”, de 20 de maio de 2001.

O Brasil é o quinto país no ranking mundial de feminicídios e o Espírito Santo ocupou recentemente o 1º lugar no ranking nacional nesse crime. Usar da sexualidade para constranger e principalmente persuadir é mais do que assédio, pois utiliza de concepções e crenças muito antigas e paradigmas que não cabem mais numa sociedade tão conectada e que se diz moderna. Estive em uma palestra no mês passado, onde Adriana Carvalho, coordenadora da ONU Mulheres, discursava sobre alguns dados e traçava as diferenças de tratamentos e benefícios sofridos entre os gêneros no mercado de trabalho. Adriana também apontou todo o esforço que as mulheres precisam fazer para alcançar as mudanças que querem. A igualdade entre homens e mulheres está longe de ser conquistada, mas evoluímos. Segue alguns pontos para refletir:

• As novas gerações não aceitam mais as diferenças entre
homens e mulheres no mercado de trabalho;
• Para uma mesma vaga disputada por homens e mulheres,
a contratação feminina sempre sai mais barata;
• A gravidez ainda é um fator discriminatório, muitos
acham que prejudica a produção;
• Em um setor de engenharia e ou programação, ainda há
mais homens do que mulheres;
• A discriminação com mulheres negras ainda é maior.

Poderia citar infinitos dados e fatos como os mencionados acima. As razões das mulheres serem preteridas são muitas: preconceitos ligados a crenças perpetuadas ao longo dos séculos são a maioria. Como mudar isso? Questionando suas posições e criando espaço de igualdade, nos quais as capacidades sejam mensuradas pelas
entregas e responsabilidades, e não pelo gênero.

Vamos juntos criar o mundo que queremos! Faça sua parte. A igualdade e a equidade que você acredita precisam ser praticadas mais do que faladas.