Hora de partir

Deixar a vida me levar só serve para a música de Zeca Pagodinho. No entanto, muitas vezes, o lema é usado por várias pessoas simplesmente por seguirem a vida sem se questionarem. Seguir em frente é sempre o caminho mais lógico. Deixar o curso da vida seguir parece mais simples,…

Deixar a vida me levar só serve para a música de Zeca Pagodinho. No entanto, muitas vezes, o lema é usado por várias pessoas simplesmente por seguirem a vida sem se questionarem. Seguir em frente é sempre o caminho mais lógico. Deixar o curso da vida seguir parece mais simples, mas é necessário questionar se realmente é a opção mais feliz e acertada.

A frase a seguir foi lida num outro blog sobre a mente e diz assim: “Sempre há um instante no qual é preciso ir embora, mesmo que não se saiba para onde ir, mesmo que seus pés estejam nus e suas mãos vazias. Somente assim você permitirá seu coração ser feliz novamente”. Mas qual a hora de partir? Qual o momento de ir embora, de dar espaço para a reflexão, para o questionamento e até para a insegurança?

A dor de estar sozinho, embora acompanhado, parece mais confortável,  só que não é. Cada um precisa estar inteiro e seguro em uma relação, construir caminhos que se encontram em objetivos comuns. A dependência não é saudável.

No entanto, nem sempre acreditar nisso é o suficiente. Deixar passar vários anos acreditando e buscando as maneiras de se manter um encontro uma relação, ou até mesmo um emprego,  pode não ser o suficiente. É preciso um mútuo desejo, uma equivalência entre as duas partes.  Se não existir,  você se encontrará cada vez mais sozinho. Seus valores, suas crenças, suas preferências se perdem na busca. A pessoa começa a viver em função do outro. Todas as suas atitudes buscam agradar o outro, acompanhá-lo em tudo, você até se submete ao outro, mas nesse momento esqueceu quem você é.  Essa é a hora de partir, de dar um basta.

Nesse momento, é necessário novamente  estar sozinho. Mas, agora, realmente sozinho. É hora de resgatar a autoestima, de rever seus sonhos. É preciso fazer um balanço, guardando todo o saldo positivo, todas as boas lembranças e os frutos dessa caminhada. Não é necessário jogar tudo fora.

Seguir em frente,  deixar ir, mas de outra maneira. E o  que significa ir? Apenas deixar espaço,  para  rever,  o tempo é o melhor remédio. Como a águia, que tira todas as penas (suas máscaras), tira as unhas (suas proteções), é preciso arriscar de forma pura e começar novamente. É preciso se bastar, sentir-se satisfeito consigo mesmo, ter certeza de que o encontro será enriquecedor. Quando duas pessoas se somam e não dividem.

Se chegou sua hora, faça, siga em frente! Você pode, pois tudo de que precisa está dentro de você!


 

Reflexões