O sonho que acabou

No consultório, em uma sessão, um paciente me conta que não tem mais sonho. No seu discurso fica claro que ele está num momento de depressão, bastante perturbado com sua vida. Mas o mais impactante para mim foi ouvir: “Eu não sonho por causa de uma decepção amorosa. Depois dessa…

No consultório, em uma sessão, um paciente me conta que não tem mais sonho. No seu discurso fica claro que ele está num momento de depressão, bastante perturbado com sua vida. Mas o mais impactante para mim foi ouvir: “Eu não sonho por causa de uma decepção amorosa. Depois dessa decepção, tudo na minha vida começou a desmoronar, nem tenho mais amigos”.

Acredito que vocês já tenham ouvido relatos similares ou até mesmo possam ter vivido algo semelhante. A dor é realmente muito profunda, uma decepção consome muita energia produtiva. Porém, devem-se separar as áreas. Nós possuímos um tripé que nos equilibra: lazer, família e trabalho.   Além desses pilares, estão as outras esferas da vida e todas precisam nutrir você de forma independente, até para uma poder equilibrar enquanto a outra ainda não está tão fortalecida.

Quem nunca teve um sonho? Imaginou? Teve um desejo? O tempo vai passando e você vai sonhando mais, reconstruindo outros sonhos, ampliando-os e trazendo com eles novos desafios.

Quando o sonho é partilhado com alguém, ele se torna mais forte ainda, mas é preciso ter certo cuidado. A individualização é necessária, você não pode viver sob as expectativas do outro. Fritz Perls gestaltista em 1969 disse: “ Eu sou eu, você é você. Não estou neste mundo para viver de acordo com suas expectativas. E nem você para viver de acordo com as minhas. Eu sou eu, você é você. Se por acaso nos encontrarmos, será ótimo. Se não, não há o que fazer.”

Qual é o seu sonho? Casar? Ter filhos? Montar uma empresa? Ser reconhecido? Ser promovido? Mas e quando o sonho acaba? O que fazer?

Muitas vezes, o sonho acaba porque foi atingido, realizado, e, portanto, está na hora de sonhar novamente. Contudo, quando o desejado acaba por alguma mudança de plano, algum imprevisto, como a perda do emprego, também se perde uma parte do que foi sonhado. Foi o que aconteceu com o paciente acima mencionado.  O importante é voltar rápido a pensar em outros projetos, pois sempre existirá uma nova oportunidade. Sonhar é abrir novos horizontes.

Sonhe e partilhe com alguém, mas não deixe de tentar identificar qual é o seu sonho. As energias, por mais que sofram influência externa ou interna, devem ser individualizadas.

Sonhe e transforme cada um de seus sonhos mirando o seu crescimento!


 Reflexões